Wednesday, October 19, 2016

Quinze razões pelas quais o pastor não deve fazer muita visitação.

Eu já ouvi a triste história, e não somente uma vez, de uma paróquia que afastou seu pastor, porque "ele não visitava os membros o suficiente." Com certeza, eu, lá no fundo, tenho a esperança de que este não foi o único motivo dos afastamentos, mas isso de modo algum me deixa otimista sobre o futuro da igreja.
"Visitação aos membros" tornou-se uma prescrição comum do trabalho de pastores e pastoras cerca de um século atrás, quando estes acompanhavam as pequenas comunidades de imigrantes e eram pastores e professores e faziam o trabalho dos agentes de saúde e de enfermeiros e de assitentes sociais.
Hoje isso é um péssimo sinal.
Eu de maneira alguma estou defendendo que os pastores não devam visitar as pessoas da comunidade, mas o que me deixa preocupado é que tais expectativas estão muito além daqueles com necessidades graves e de emergência.
A verdade que precisamos assumir é: Seu pastor não deveria fazer muita visitação. Aqui estão 15 razões.

1.       É antibíblico. Efésios 4:12 diz que os pastores tem a função de treinar os santos ou crentes, ou membros, para fazer o trabalho do ministério. A bíblia não diz que os pastores devem fazer todo o trabalho do ministério.
2.       Priva os membros de exercer suas funções e oportunidades de Corpo de Cristo. A segunda parte de Efésios 4:12 nos informa claramente que o ministério é para todos aqueles na igreja. Quando o pastor faz tudo ou a maior parte do ministério, os membros são privados de uma oportunidade e tarefa dada por Deus.
3.       Pastorcentrismo promove uma mentalidade de clube de campo. "Nós pagamos o salário do pastor. O pastor trabalha para nós para fazer o trabalho e servir-nos.” Neste tipo de pensamento dízimos, contribuições e ofertas tornam-se quotas de clubes para ser servido e o pastor é empregado dos membros.
4.       Transforma a igreja em algo egoísta. Os membros estão sempre se perguntando o que o pastor está fazendo para eles ou por eles, em vez de perguntar como eles podem servir à Deus e ao próximo através da igreja.
5.       A visitação rouba de preparação do Palavra. Esses mesmos membros que se queixam de que um pastor não os visita são os mesmos que reclamam da má preparação da pregação ou do “culto fraquinho”.
6.       Ela muda de foco missionário do pastor. Se os pastores passam todos ou a maioria de seu tempo visitando, como eles podem ser exigidos para entrar na sociedade e compartilhar o evangelho?
7.       Ela tira a liderança vital do pastorado. Como podemos esperar que os pastores liderem  se nós não damos o devido tempo para conduzir uma vez que eles estão visitando membros?
8.       Visitação acaba promovendo comparações pouco saudáveis ​​entre os membros. "O pastor visitou o Scmidt duas vezes este mês, mas ele só me visitou uma vez."
9.       Nunca é o suficiente. Isto é o pior! Quando as igrejas esperam que os seus pastores a fazer a maior parte da visita, eles têm uma mentalidade de direito adquirido, de senhorio sobre um serviço. Tal mentalidade nunca se satisfaz, sempre quer mais.
10.   Ele leva ao esgotamento pastoral. É impossível para os pastores para manter o ritmo que se espera de todos os membros cumulativamente, especialmente na área de visitação. A agenda de uma paróquia hoje é um absurdo. Os pastores e pastoras trabalham, em sua maioria, em três turnos.
11.   Isso leva a alta rotatividade pastoral, com troca frequente de pastores. Burnout, esgotamento, cansaço, tristeza vão levar a uma alta rotatividade pastoral, numa troca de pastores ao final de cada TAM. Pastorados de curto prazo não são saudáveis ​​para as igrejas.
12.   Visitação pastoral coloca uma tampa hermética sobre o crescimento da Igreja. Uma das grandes barreiras de crescimento de igrejas é a expectativa de que uma só pessoa faça a maior parte do ministério, especialmente visitação. Tal dependência de uma única pessoa coloca um sério limite no crescimento. O exemplo das igrejas pentecostais e mórmons mostra que o crescimento está na visitação dos membros PELOS MEMBROS! Quando a comunidade, como um todo, mostra que se importa.
13.   Isso leva os pastores a obter a sua afirmação a partir da fonte errada. Tornam-se pessoas para agradar os membros e presbitérios em vez de Deus para agradar. No final até o anúncio da Palavra caba se tornando para agradar pessoas.
14.   Isso faz com que os membros da igreja com base bíblica se retirem. Muitos dos melhores membros da igreja vão abandonar a comunidade porque sabem que a igreja não deve funcionar dessa maneira. A igreja, portanto, torna-se cada vez mais fraca.
15.   Exigir visitação é um sinal de que a igreja está morrendo. Os dois comentários mais comuns de uma igreja morrendo: "Nós nunca fizemos isso dessa maneira antes" e "Por que o pastor não me visitar?"
A mentalidade generalizada em muitas igrejas é o pastor é o principal visitante na igreja ou que esta é sua primordial tarefa.
No entanto é um sinal fundamental de uma comunidade doente.

É um claro passo em direção à morte.

4 comments:

  1. Parabéns. É assim que penso também. O problema é que na IECLB, pensar assim, é ser taxado de terrorista.

    ReplyDelete
  2. Muito bom, Armin! É assim que penso também!

    ReplyDelete
  3. Visitação (exclusidade pastoral) não tem base e fundamentação bíblica. Basta uma simples observação pra perceber a inutilidade de realizar visitas. Postura de capelão. Membros se comportam como pacientes e só gritam por atendimento (usam o termo 'visita') pra satisfazer suas necessidades imediatas. Pastor, deve focar Efésios 4, "treinar os santos pra obra do ministério". Pastor não é capelão, nem empresário pra satisfazer clientes. Pastor deve guia e mentoriar discípulos para missao e serviço.

    ReplyDelete
  4. Muita coisa já há tempo não é bíblico. Pastor ser mandado por ovelhas. TAM, contrato de trabalho. Está se esquecendo que é ao Senhor que estamos servindo. E que os ministérios não são função de empregado, mas para o crescimento e edificação do corpo de Cristo. Nem pastor, nem presbíteros mandam, mas Cristo é que dá o mandato. Fora desta concepção apenas rege a lei fria de patrão e servo, empregado. E a igreja é apenas instituição religiosa prestadora de serviços, longe de Cristo e do Evangelho.

    ReplyDelete